Escolha uma Página

Michel e Cármen: caricatura do golpe

Em um Estado Democrático de Direito, uma reunião entre o Chefe do Poder Executivo e a Presidenta da Suprema Corte para discutir temas de interesse nacional poderia ser considerada apenas um símbolo de diálogo entre poderes instituídos, de estabilidade institucional,...

Censo População de Rua: Um passo para a dignidade

No dia 21 de Abril de 2016, o portal G1 publicou a seguinte matéria: Migrantes são maioria da população de rua em São Paulo, diz censo (https://goo.gl/xxnwWM). A matéria falava algo que provavelmente a Prefeitura de São Paulo, à época governada pelo Prefeito Fernando...

Não se pode revogar a Lei da Gravidade

O Estatuto da Cidade é uma Lei de 2001 que regulamenta os artigos 182 e 183 da Constituição Federal, ou seja, regulamenta o capítulo da Constituição que trata da política urbana. A atual Constituição, que respira com a ajuda de aparelhos, é a primeira de nossa...

A luta feminista deve ser interseccional

Feminismo é uma palavra que ainda assusta algumas pessoas, seja por não compreenderem o que esse movimento de mulheres representa social e politicamente ou por não consentirem a mudança estrutural buscada, que necessariamente implica a derrocada dos privilégios...

O passado é uma roupa que não nos serve mais: renovar a bancada potiguar para derrotar o golpe

Quando lidamos com os cargos eletivos das casas legislativas que compõem o Congresso Nacional, é importante que pensemos no projeto que queremos para o nosso Estado e, sobretudo, no projeto de país. Isso porque os parlamentares federais, em que pese decidirem sobre elementos que tem direta repercussão nos diversos estados, tem competência central de elaborar, fiscalizar e avaliar legislação e, em alguma medida, políticas públicas de caráter geral que materializam o projeto nacional de desenvolvimento e de exercício do poder. Nesse sentido, qual o país que queremos?

O fuzuê institucional do afastamento de parlamentares

O pacote que caracteriza essa crise institucional é composto por condenação com fundamento único na palavra de delatores, suspensão de nomeação de Ministros, perseguição a juízes progressistas, investigação contra grupos de pesquisa marxistas, afastamento de parlamentares de seus respectivos mandatos, etc. Não bastasse esse fuzuê institucional, resolveram os poderes legislativos municipais e estaduais que era hora contribuir essa situação caótica com a simetrização do caos.

Como funcionam as ideologias?

Algumas horas de Globo, o que vi? Uma cena de um homem trans conversando com seu pai sobre a aceitação do gênero com o qual se identifica; um drama sobre uma filha que foi abusada sexualmente pelo pai pastor – e referência na comunidade; uma discussão sobre punição de torturadores na época da ditadura civil-militar.